LOUVEIRA: Coluna de João Batista – Louveirando

Por que?

Pelo que percebo pelos meus andares pela cidade e pela minha visão de mundo, devemos aprender a perguntar o porquê das coisas, principalmente diante de tantas opiniões sobre quase tudo relacionado aos acontecimentos de LOUVEIRA. O que me causou essa reflexão foi justamente esse hidrante bem em cima da calçada que por estar ali há tanto tempo, quase não é notado, pelo menos nunca ouvi ninguém falar dele. Porque essa peça estaria aí? Não sei se ele está colocado de maneira adequada, dentro das normas, se a cor é apropriada, se realmente sai água se for necessário o seu uso, então, por pura ignorância não devo criticar ou emitir uma opinião categórica sobre a sua utilidade ou a sua localização. Claro que se houver um incêndio e o mesmo não funcionar de acordo, alguém será responsabilizado, principalmente por se tratar de um objeto de segurança. O hidrante é sempre um item importante no que diz respeito à segurança patrimonial e, por consequência, para os seres humanos. Por falar em lei e segurança, por que sempre exigimos o cumprimento desses termos nas ações dos outros, e não para nós mesmos em muitos casos? Como exemplos mais simples posso citar as leis de trânsito, da emissão de nota fiscal, do estacionamento apropriado devidamente demarcado, tudo isso aqui em LOUVEIRA mesmo. Será que alguém ao ler o que escrevo vai questionar o que eu tenho com isso? Respondo: na verdade tenho tudo a ver com isso, pois se quero de alguma maneira fazer algum juízo de valor sobre as atitudes das demais pessoas, tenho que no mínimo, ser coerente em relação às minhas ações cotidianas. Posso dizer isso sobre observações gerais e especificamente sobre o hidrante, porque durante algum tempo observei as pessoas que passavam e desviavam; umas já desviavam a uma média distância, a maioria, e outros, a minoria, desviava já em cima da peça e, uns pouquíssimos esbarraram no hidrante.Confesso que eu quis ler os pensamentos desses pouquíssimos, mas óbvio, não consegui. Esse questionamento de perguntar o porquê das coisas deveria ser um hábito saudável e não essa enxurrada de opiniões que em grande parte, não se pode traduzir em verdades, pois o fato de eu ter uma opinião, não significa que se traduza em verdade, por mais que eu berre. Enfim, leis são para serem cumpridas, sem perguntar porque. Não gosto de lombadas e as acho desnecessárias, mas por serem previstas em lei, as aceito, mas com os hidrantes é diferente, pois a meu ver são extremamente necessários.

Trilha Sonora \ Esta vida é um buraco \ Nhá Barbina

Autor: Julliano Gasparini

Compartilhe esta notícia no
468 ad