LOUVEIRA: Coluna de João Batista – ‘Louveirando’

A Arte do Artista

Quem, assim como eu for observador, ao andar pelas ruas de LOUVEIRA, seja pelo motivo que for, uma hora ou outra se deparará com alguma obra que, aos olhos do observador poderá ser chamada de obra de arte. Arte é toda produção que requeira alguma ou muita dedicação, talento, carinho e paciência para que se produza algo que atraia o olhar do observador e o faça pensar, assim como esses aviõezinhos sempre atraíram o meu olhar e me fizeram pensar em cada gesto que propiciou essa criação. Passo muito por essa rua, no Bairro Residencial Burch e todas as vezes que passo em frente a essa casa, sinto muita vontade de bater palmas e perguntar ao proprietário se poderia tirar umas fotos e, desta vez, estacionei do outro lado da rua e tirei as fotos, espero que não tenha cometido nenhum ato ilícito.

Admiro muito quem tem o talento da criação, em todas as artes, por considerar a capacidade de se criar algo, um sopro de Deus a favor do artista para que o mundo tenha algo a mais para chamar de seu, para que de alguma forma, o peso do dia a dia seja amenizado por um sentimento de prazer, um momento que poderá gerar outros momentos e até, incentivar os mais tímidos a colocarem os seus talentos em favor do próximo. LOUVEIRA, por ser uma cidade considerada de pequeno porte, fica mais fácil aos que buscam beleza, encontrar essa beleza em algum lugar que as vezes nos passam despercebidos. Mas, para os que buscam obras catalogadas e renomadas, se percebe um certo desprezo pela obra do lugar, a obra raiz, o cerne do artista que produz sem grandes pretensões, apenas para que de alguma forma, todos possam usufruir da sua criação sem pagarem um ônus por isso. A obra está lá e, estando lá, já satisfaz o artista criador, pois ao que parece, sua maior alegria é perceber que pode criar.

Bem, o que fica claro, pelo menos para mim, é que há uma criatividade no ar, neste caso, literalmente. É tão bom perceber as coisas da nossa cidade ao caminhar por nossas ruas, e para quem sabe aproveitar cada caminhada, a chance de se deparar com alguma invenção humana e arteira é sempre grande. Por isso, prestemos mais atenção nas coisas que nos cercam, nas coisas que acontecem ao nosso redor e saibamos – isso é muito importante – apreciar as nuances da criatividade. Se algo não agrada aos nossos olhos por algum motivo, com certeza agradará aos olhos de alguém, assim como quase tudo na vida. Acredito que conheça as pessoas que moram nesta casa, e que eles não se zanguem com a minha postagem sem perguntar se poderia ou não. Caso não gostem, me retratarei. Em algum lugar de LOUVEIRA ou na cidade em que mores, com certeza se prestares atenção e abrires os olhos para o que os cercam, nos cercam, viveremos todos mais felizes.

Trilha Sonora / Nos Bailes da Vida / Milton Nascimento

Autor: Geraldo Maia 62

Compartilhe esta notícia no
468 ad