COLUNA LOUVEIRANDO: Presença Alexandrina

Figura emblemática em nossa cidade, eu sempre a encontro nas ruas de LOUVEIRA, se destacando pelo seu andar miúdo e delicado, mas muito firme. E olha que dona Alexandrina, apesar dos passos miúdos e delicados, é uma pessoa de estatura de média para grande, alta mesmo! Suas vestimentas e seus acessórios se destacam também pela originalidade da composição, pela forma “quase” artística com que ela se compõe. Um lugar comum, deixa de ser comum com a sua presença e, cito como exemplo um ponto de ônibus numa terça-feira logo depois do almoço, como se pode ver nesta fotografia, este retrato de gente que existe de fato. LOUVEIRA abriga pessoas que nos aproximam das sutilezas diárias, sob as quais nós também vivemos, sutilezas essas que muitas vezes passam despercebidas aos olhares apressados e colados nas telinhas dos smartphones, com medo de perder algo que na verdade não é palpável, pelo menos no mesmo instante em que aparece na tela. Não quero dizer com isso que não se deva usar toda a tecnologia existente, quero apenas dizer que existem pessoas reais que trafegam pelas ruas, que também podem ser muito interessantes para um bate papo. Mas voltando a Dona Alexandrina, eu a admiro sempre que a vejo e acredito que ela tenha o poder mágico de tornar a nossa LOUVEIRA muito mais humana. Como é bom observar a existência de pessoas marcantes pelo simples fato de existirem, com o poder de serem presenças que ficam na memória da gente e nos fazem rir feito bobos as vezes. Falo num riso de alegria, num riso que nos desvia das mazelas dos noticiários, nos fazendo um bem danado sem nos cobrar nada por isso. Claro que dona Alexandrina é para mim o que outras pessoas carismáticas possam ser para os demais, mas mesmo sendo assim, acredito que alguns passarão a prestar mais atenção nas pessoas que andam nas mesmas ruas em que nós andamos. Também é possível que existam pessoas que não concordem comigo, o que é perfeitamente aceitável diante de tanta diversidade, pois minhas mãos digitam o que toca o meu coração e, cada coração tem a sua própria digitação.

Trilha Sonora / É preciso saber viver / Roberto Carlos

468 ad