LOUVEIRA: Afinal, arrecadação caiu ou não caiu? Veja como o município está e como vai ficar

Ao contrário da maioria das cidades, LOUVEIRA é uma das únicas a manter sua arrecadação de impostos no auge, apesar do fechamento e da saída de muitas empresas do município, por falta de interesse da Prefeitura em manter o Plano de Incentivo Fiscal. Esta falta de visão do Governo Júnior Finamore será fatal a partir de 2020, onde LOUVEIRA poderá chegar a total decadência financeira. E os números não mentem. Só que podem ser manipulados e isso é perigoso. Durante audiência pública realizada segunda-feira, 29, na Câmara Municipal, sob o comando do vereador Laércio Neris (PTB), presidente da Comissão de Finanças e Orçamento da Câmara, foram apresentados pela chefe de divisão da Secretaria Municipal de Finanças da Prefeitura, Luzinete Dias de Carvalho, os dados financeiros do município de LOUVEIRA referentes aos primeiros quatro meses de 2017 que demonstram uma queda na arrecadação em torno de 6% e o aumento nas despesas de 7,8% em relação ao mesmo período do ano passado.

NÃO FALA NO AUMENTO
Tudo bem que houve queda de arrecadação em praticamente todas as Prefeituras do País. Mas o prefeito Júnior Finamore esqueceu de dizer que durante a apresentação da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) para o ano de 2018 a mesma diretora Luzinete apresentou uma previsão de aumento para 2017/2018 de 5,11%, para 2018/2019 aumento de 7,76 %, e de 2019 a 2020 um aumento de 8,02% nas receitas do município (veja imagem do gráfico desta reportagem), resultado da produção das empresas do município nos últimos cinco anos.

SÓ QUEDA E DESPESA
Em outro momento da audiência o prefeito insiste em mostrar que houve só queda na arrecadação e aumento de despesa (que ele mesmo fez), criando mais cargos de confiança e efetivando contratos milionários com parceiros, ao fazer o comparativo entre os meses de janeiro a abril de 2017 com 2016. Segundo o prefeito, a receita apresentou queda de 6%, ficando em pouco mais de R$ 118,3 milhões perante os R$ 125,8 milhões do quadrimestre anterior. Em relação às despesas, houve aumento de 7,8%, passando de R$ 82,8 milhões em 2016 para R$ 89,2 milhões em 2017. Porém, continua sem tocar no aumento da arrecadação. Sim, houve queda, mas também tem aumento no futuro, e isso o prefeito evita demostrar, como foi visto na referida audiência, pois a conta não fecha, devido ao gasto excessivo no seu Governo. Outro exemplo abusivo, e que estourou o orçamento, foi o super aumento nos salários dele e dos cargos de confiança em quase 100%, no final de 2016. E neste ano, só quis dar reajuste de 1% ao funcionalismo.

SEM PÚBLICO
Infelizmente, como está se tornando usual, não houve público presente para ver a realidade das contas públicas, exceto a participação de dois secretários municipais: Doraci Chicalhoni, de Finanças, e Sérgio Franco, de Água e Esgoto. A Câmara de LOUVEIRA poderia seguir o exemplo de VINHEDO, que criou uma CPI das Contas Públicas. Só que ao contrário do que todos pensavam, até o prefeito Jaime Cruz apoiou a iniciativa dos vereadores. Por aqui, é diferente, o prefeito quer cada vez mais esconder as contas da Prefeitura para o povo, e alguns vereadores concordam. O parlamentar que vai contra, é supostamente perseguido e massacrado. Não se pode esperar a possível falência do município em 2020, sem que nada seja feito. Enquanto os processos de cassação correm na Justiça, os vereadores, fiscais do povo, tem ainda a missão de ‘salvar’ os cofres públicos.

468 ad