LOUVEIRA: Coluna de João Batista – ‘Louveirando’

O Águia Não Pousou

Foi um dia triste, foi sim. Um acidente trágico aqui no Quebra – Santo Antonio – LOUVEIRA. Fiquei sabendo depois o que houve e, a princípio o que me chamou a atenção foi o voo rasante, sobre a minha casa, do helicóptero águia da nossa valorosa Polícia Militar.

Também soube depois que estavam procurando um local para pousar, para socorrerem uma vítima de um acidente, que infelizmente faleceu no local. Não pousaram, embora haja o campo de futebol do Esporte Clube Nova Estrela, bem ao lado da minha casa. O motivo pelo qual não pousaram não posso afirmar, pois não fiquei sabendo, mas com certeza, se houvesse a chance, por menor que fosse, eles pousariam e socorreriam quem quer que necessitasse deste socorro. Podem ter pousado em outro local mais próximo do acidente. É assim, tenho visto.

O céu estava tão azul, o dia prometia ser lindo, não foi para alguns, mas foi para muitos, como são todos os dias, pois tudo se repete perfazendo um cotidiano similar em seu trajeto. Fiquei por um tempo, pouco tempo, observando aquele helicóptero sobrevoando a minha casa, ziguezagueando sob aquele céu azul, imaginado quem seriam aquelas pessoas que estavam dentro daquele objeto voador. O que eles sentem em cada voo, em cada socorro, bem sucedidos ou não e, quando voltam para a casa o que eles encontram, ou quem eles encontram?

Um dia espero conversar com alguns deles e perguntar pessoalmente tudo isso. Se choram, se abraçam alegres, se ficam pensativos em um canto, se vão nadar, bater bola ou ver tv; se conversam muito com alguém ou se calam esperando a próxima missão, sagrada missão no meu entender. Com certeza gostam de animais, nem sei porque pensei nisso.

LOUVEIRA é uma cidade acolhedora, contendo todas as nuances que a vida possa proporcionar; nem sempre alegres, nem sempre tristes, assim como é a vida da gente, mas pelo que percebo, muito mais alegrias do que tristezas, compõem o nosso cotidiano. Oremos, ou pensemos com respeito nas pessoas, nas que socorrem e nas que são socorridas, ou melhor, pensemos e oremos por todas as vidas, por todas as coisas vivas que nos rodeiam. O tempo, este senhor que nunca envelhece, coloca cada coisa em seu lugar, então cabe a nós, penso eu, sermos algo útil para que sejamos colocados num local onde possamos ser mais felizes. Cada vez que vejo alguém sendo amparado, em todas as formas de amparo, acredito na humanidade e tenho esperança que a vida não se resuma somente em ver o tempo passar, se bem que em LOUVEIRA haja muitos lugares para se observar o tempo passar, sem perceber que o tempo corre.

Trilha Sonora / Águia Dourada / Roberto Carlos

Autor: Geraldo Maia 62

Compartilhe esta notícia no
468 ad