LOUVEIRA: Coluna de João Batista – ‘Louveirando’

Que gata!

Dona Abgail é uma gata bem fofa e já teve inclusive o nome de Fofinha. Ela hoje está se convalescendo, pois passou por um período um tanto quanto delicado há uns dias atrás, se sentiu mal, ficou amuada, se escondeu no meio do mato num terreno próximo à sua residência oficial, residência onde moram também minhas amigas, mãe e filha que amam animais, Valdete e Rubia, num bairro aqui de LOUVEIRA, cidade bem amparada em relação à Medicina Veterinária. Chamo de Dona Abgail para colocar um pouco de humor e respeito ao tratamento dispensados aos animais, só isso!

Temos aqui um bom serviço de acolhimento gerido pela Prefeitura, denominado Zoonoses, que atende graciosamente, com horário marcado, de procedimentos básicos a procedimentos mais elaborados, como cirurgias, por exemplo. De vez em quando visito esse local e levo algum animal que esteja necessitando de atendimento veterinário e sempre “fomos’ muito bem atendidos, e, também tenho amigos que já utilizaram esses serviços e se sentiram muito satisfeitos com os resultados em seus pequenos amigos, no caso, gatos e cachorros. LOUVEIRA tem dessas coisas e, não nos esqueçamos da AMALO – Associação Amigos dos Animais de LOUVEIRA, que aos cuidados de Priscila Finamore, Flávia Malerba, entre outros acolhe com amor os animais abandonados.

Bem, mais voltando a Dona Abgail, eu a conheço há uns dez anos, desde quando tinha a alcunha de Fofinha, morava na casa da Dona Tereza e da Giseli e me visitava no escritório onde trabalho, e ficava lá a conversar comigo e com as demais pessoas que trabalhavam e trabalham ainda ali. Ela era toda manhosa, educada, pedia licença com um “ronrom”, mas nunca deixava de entrar, e, depois de algum tempo, se levantava e voltava ao seu lar, e nós tínhamos a certeza de que ela voltaria numa próxima oportunidade que ela mesma criaria.

Fofinha foi para morar na casa de Valdete, e ali se tornou Dona Abgail, ‘Biga’ para os mais íntimos. Ela se mudou de casa por não poder continuar na casa da Giselipor orientação médica em relação à saúde de uma das pessoas, que tinha um problema de alergia muito forte. Dona Abgail não teve problema em se adaptar à nova casa, pois teve um tratamento excelente, como tem até hoje, e quando visito o local, ela é a primeira a vir ao portão me receber, miando como que dizendo bem-vindo, pelo menos é assim que traduzo, pela docilidade com que me recebe.

Passado o susto, após ter feito muitos exames e ser tratada, ela segue saudável e, velhinha que é, tem o direito de ser um tanto quanto “rabugenta”, assim como nós humanos vamos ficando com o passar dos anos. Torço para que todos os animais sejam bem tratados, embora não raro, fique sabendo de maus tratos, consequência do desamor que ainda habita em nós. Acredito que estejamos evoluindo, em passos lentíssimos, mas evoluindo e, um dia entenderemos que o ser humano deva estar sempre em primeiro lugar e os animais o mais próximo possível desse primeiro lugar também, pois a vida deve ser sempre respeitada e mesmo um malfeitor, é capaz de abrandar seu coração em contato com um animalzinho.“O justo importa-se com seu animal doméstico” (Provérbios 12:10).

Trilha Sonora / The Love Cats / The Cure

468 ad