LOUVEIRA: Coluna de João Batista – Louveirando

Um dia comum

Tudo parecia comum num dia de quinta-feira, outono e sol, quase calor nesta manhã daqui de LOUVEIRA, clima perfeito para ir ao médico, médica na verdade, dermatologista para ser mais exato. Cheguei no balcão de atendimento e, eu que sempre fui bem atendido na área da saúde nessa cidade, quase que não fui nem atendido desta vez. Pois alguém, que não me lembro exatamente, me informou há uns dias atrás que eu não precisaria marcar uma nova consulta para ser atendido, pois no meu caso, era retorno para mostrar os resultados dos exames solicitados pela médica. LOUVEIRA, que muitos criticam no que diz respeito a saúde, sempre me acolheu muito bem, e, em todos esses anos que precisei, somente não fui bem atendido umas duas vezes, e uma, na verdade nem fui atendido. Doeu! Na ocasião, voltei para casa meio frustrado, mas apesar disso, nunca falei mal das nossas Unidades de Saúde. Desta vez, o que mais me surpreendeu foi que a dermatologista, que tinha dois pacientes agendados para às 10h da manhã, ficaria sem atender, pois os mesmos não compareceram e nem avisaram que faltariam. A atendente foi gentil e me explicou que se a hora ficasse vaga, ela me encaixaria, relutei no começo, mas concordei, pois já estava ali mesmo e tinha todo o tempo do mundo. Valeu a pena esperar, mas enquanto esperava fiquei pensando em como alguém, nesse caso duas pessoas, deixaram de comparecer à consulta, pois é difícil conseguir vaga com a especialidade de dermatologia, principalmente nos dias atuais, tão fartos de doenças relativas à dermatologia. São tantas! Claro que cada pessoa tem o seu motivo e que, para essa pessoa, o motivo possa parecer justo para não comparecer à consulta e nem avisar, mas para mim que estava precisando, ficou meio estranho para entender. Dermatologistas são concorridos! Bem, às 10h15min fui atendido e tudo correu satisfatoriamente durante a consulta, estou bem, graças a Deus. Voltando para casa feliz ouvindo, O Ipê e o Prisioneiro, nas vozes inconfundíveis de Milionário e Jose Rico, me lembrei da minha amiga Neide Rizzatto que gosta muito desta música. Nesse clima de alegria pensei na nossa LOUVEIRA como um lugar que merece o nosso respeito e a nossa paciência, e, mesmo existindo falhas, é aqui o nosso lar. Não falemos mal, melhoremos juntos!

Trilha Sonora / O Ipê e o Prisioneiro / Milionário e José Rico

468 ad