LOUVEIRA: Coluna de João Batista – ‘Louveirando’

Cenas dos próximos capítulos

As cenas dos próximos capítulos das novelas antigas eram as que mais geravam comoção, pois todos que assistiam novelas e até os que não assistiam o capítulo todo, davam palpites sobre o que aconteceria amanhã, no capítulo de amanhã, se não fosse sábado, pois no domingo não haveria novela, quanta agonia. Hoje vivemos aqui em LOUVEIRA e por todo mundo uma situação que nos remete ao próximo capítulo que, embora já tenhamos uma noção, aguardamos ansiosos pelo desenrolar do capítulo vindouro. Enquanto isso vamos devorando os estoques, quem diria, de papel higiênico. Que estranha forma de vida! Seremos todos na hora “H”, cagões? Parece que sim, falamos, falamos e falamos, mas em grande parte fazemos nós o que criticamos nos outros.

Nossa cidade, esta LOUVEIRA, Terra da Videira, como diz o Hino, em termos de emancipação ainda é meio jovem, pois nos dias de hoje, 55 anos não pesam tanto, mas já está próxima do grupo de risco, no qual me incluo, nos meus quase 63 anos de idade, bem vividos, segundo a minha percepção. Por aqui as coisas ainda parecem calmas, dentro dessa nova realidade, que a princípio foi negada por muitos, mas como realidade se chama realidade justamente por não fazer concessões, ela, essa realidade se impõe por si só, e ouso dizer, “ai de quem a contrarie”, pois ela não leva desaforo para casa.

Ainda que não haja cenas dos próximos capítulos, justamente por essa novela ser uma espécie de reality show, as coisas vão acontecendo em tempo real e nós, os coadjuvantes, ainda relutamos em ler e seguir o script, pois somos improvisadores, muitas vezes tão canastrões; espero eu que aprendamos alguma coisa, se não muito, pelo menos o preço do álcool em gel. Bem, na verdade nossa cidade aniversaria e merece o nosso agradecimento, o nosso respeito e principalmente a nossa posição de cidadãos conscientes, que pense mais na coletividade do que no individualismo no que diz respeito a convivência tão restritiva nesses dias. Que nós, não sejamos tão egoístas a ponto de esvaziarmos como saúvas as gôndolas, enchendo a nossa dispensa em detrimento dos que não podem, por alguma condição mais adversa ainda, do que a que vivemos.

LOUVEIRA que tudo vê, está com certeza vendo o comportamento de cada um de nós, mas não está nos julgando, por ter a sabedoria de reconhecer que cada um colherá em algum momento, o que plantou. O futuro, fruto do nosso hoje, do nosso aqui e agora, se imporá como uma realidade plantada por nós. Sigam o exemplo do Juninho Pagotto e de sua família que todos os dias fazem postagem da sua colheita. E como são lindas as uvas colhidas por eles! Estou citando o Juninho como exemplo, mas poderia citar muito mais gente que trabalha, labuta todos os dias para que tenhamos o fruto de cada dia, o Bendito Fruto do Trabalho realizado com amor. Há ao nosso redor tantos profissionais caprichosos e responsáveis em seus afazeres, que possuem a empatia essencial para atravessarmos com mais segurança os dias difíceis. Os da Saúde, da Educação, da Segurança, da Espiritualidade, da Comunicação, da Limpeza, do Esporte e da Cultura que, nesses dias de confinamento, nos proporcionam o entretenimento para ficarmos em casa com um pouco mais de conforto. Oba, hoje tem novela… e como serão os próximos capítulos? Parabéns LOUVEIRA e obrigado por ser o palco onde vivo cada capítulo da minha vida.

Trilha Sonora / O Amanhã / Simone

Autor: Geraldo Maia 62

Compartilhe esta notícia no
468 ad