REGIÃO: Cabos e fios baixos representam riscos de acidentes

Cabos e fios baixos pouco tensionados em postes de iluminação fazem parte de uma cena frequente nas cidades da região, e VINHEDO, VALINHOS e LOUVEIRA também não escapam deste perigo. O emaranhado de fios, além de esteticamente ruim, pode ocasionar acidentes, principalmente com caminhões de carga, e até carros. Segundo normas da Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações) e Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica), a altura mínima da rede de baixa tensão é de 6 metros e segue as regras básicas de segurança.

As empresas de telefonia e TV a cabo é que estariam fora na norma de segurança estabelecida, pelo que se consta nas ruas. A maior dificuldade é para quem transporta cargas, pois tem que manobrar entre fios e cabos baixos. “É muito ruim, pois os fios são baixos e o baú é alto e fica complicado manobrar. É preciso ficar desviando”, explicou o motorista de caminhão Jorge Lopes.
Quase todos os caminhoneiros tem uma história para contar sobre algum problema com fios baixos, mas qualquer um está sujeito à deparar com um fio baixo, tanto de carro, quanto a pé.

Para quem observar fios em baixa altura, ou caídos no chão, deve entrar em contato com a operadora de telefonia da região. Como a maioria das cidades tem operações da Telefônica Vivo, a empresa mantém à disposição de seus clientes suas Centrais de Atendimento por meio do *8486 (ligações por celular) ou 1058 (ligações do fixo para informações da linha móvel ou do fixa) e 10315 para clientes da telefonia fixa. A ligação é gratuita. Ou ainda, solicitar reparo diretamente no link da empresa https://www.vivo.com.br/para-voce/ajuda/duvidas/telefone-fixo/fixo-servicos

Até ventilador penduraram em cabo, para avisar do perigo, em Rua do Bairro Santo Antônio, em LOUVEIRA

Caso o perigo seja imediato, o cidadão deve acionar a Polícia Militar (PM) pelo 190, ou Guarda Municipal, pelo telefone direto 153.

(Texto:G1/ FOLHANOTICIAS/Ana Paula Junemir/Imagens: Leitores Edivandro e Nilton FotoStudioNelson)

Autor: Geraldo Maia 62

Compartilhe esta notícia no
468 ad