REGIÃO: Coluna de Jorge Lemos – Linhas Cruzadas

ANÁLISE SIMPLISTA DO MOMENTO (2)

MEMÓRIAS DE UM TEMPO

 

Ganho aqui, neste espaço, a oportunidade de criar o meu mundo cercado de esperança de que é possível mudar a face anormal deste mundo cruel que se põe, pela visão atemorizadora dos propagadores do mal que se amontoam em estrambólicas ideologias do “viver agora”, (Sartre), sem medir as consequências  do que significa a importância da vida para o futuro.

Peço que entendam o nosso verdadeiro papel como seres responsáveis que assegurem o direito a vida dos iguais e diferenciados do seu futuro. Esta a importância da minha, da sua, da nossa vida, neste estágio em que nos encontramos. Faço de um pensamento o meu ponto de apoio para este instante em que todos nos encontramos; “Felix qui potuit rerum cognoscere causas” (“ Feliz de quem pôde reconhecer a causa das coisas”).

As grandes perguntas que a maioria humana hoje faz são as seguintes: “Para onde vamos?” “O que pretendemos?” “O que no aguarda?”

Tenho repetido no curso de minha vida de que as alterações dos costumes, para pior, estão plantadas pela  falta de balizamento do poder do Estado em não preparar o ser humano para o salto tecnológico e cientifico que a própria humanidade cria. Alguns macros pensadores modernos. tidos como ficcionistas, talvez tenham sido os mais lúcidos para oferecer, criativamente, toda uma visão futurista, alertando-nos, de forma inteligível, as bifurcações, como também as entradas e variantes que cercam o caminho do desenvolvimento humano. Lá em casa, desde os primórdios, meu pai, pela visão cultural, abriu-nos desde cedo as portas das suas prateleiras e nos propiciou adentrar num mundo fantástico de autores que nos propiciou visualizar um mundo repleto de imagens comparativas entre Passado, Presente e Futuro.

EXPERIÊNCIA 2 –  Um dos meus irmãos mais velho, o Geraldo, com seu 15 anos, senta-se ao meu lado, (eu com apenas 8 anos,) e lê com desembaraço e com variantes dramáticas umas páginas de “Viagem a Lua”, de Julio Verne.

 Vibrei-me!

A narrativa inspirou-me mergulhar por meses seguidos na grande coleção do “Tesouro da Juventude”, obra verdadeiramente impar para infância e juventude do meu tempo. Em cada pagina um precioso ensinamento sobre o desenvolver das ciências, tecnologias, história Universal, filosofia e o retrato do mundo até aquele instante,  possibilitando enxergar todas as tendências humanas e cientificas.

A minha cabeça, como a dos meus irmãos mais velhos,  receberam enxertos de Galileu Galilei, Newton, Einstein, Sócrates, Aristóteles, os Césares e o Império Romano, o mundão de Alexandria, os Godos, Vikings, navegadores, domínio dos mares, criação das comunicações, dos transportes, do Raio X, enfim de um mundo passado e a visão de um futuro que se punha em nossa mão de uma forma diferenciada disto que se vê e se encontra nos dias de hoje, (Setembro de 2018).

Bendito pai que respeitosamente reunia os filhos e dizia com seu ar professoral: -“Feliz o homem que analisa o seu passado, compara com o seu presente e planeja o seu futuro!”

 Pergunto: – Quantos pais no dia de hoje tem esta capacidade de enxergar um mundo por este angulo?

Segue na próxima semana

 

468 ad