VALINHOS: Prefeito de Valinhos fala sobre queda na arrecadação

VAL_Clayton_cred divulgação

A FOLHA NOTÍCIAS conversou na última semana com o prefeito de VALINHOS, Clayton Machado (PSDB). Entre outros assuntos, ele falou da redução orçamentária para os próximos anos, e também da Saúde, Segurança e Educação na cidade. Confira a entrevista completa.

 

FOLHA NOTÍCIAS (FN): Como o senhor avalia estes anos à frente do Executivo valinhense?

Clayton Machado (CM): Foram três anos de muitas conquistas, porém, de dificuldades também. Quando assumimos, nosso governo encontrou a maioria das obras paradas, uma dívida gigantesca nos cofres públicos. Atravessamos a maior crise hídrica dos últimos 100 anos e também uma das maiores crises financeiras do país. Não conseguimos colocar em prática tudo o que almejamos, graças à queda de repasse de outras esferas e também à queda de recursos municipais. Porém, fizemos muito daquilo que não tínhamos planejado e conseguimos conquistar índices importantes para a cidade. Hoje, temos um dos menores índices criminais dos últimos 15 anos, nossa UPA foi considerada pelo Ministério da Saúde uma das melhores do país, somos referência na região em programas sociais e estamos recebendo os maiores investimentos empresariais de todos os tempos, o que garantirá a sustentabilidade financeira do município nos próximos anos.

 

FN: Como o senhor avalia a previsão de queda na arrecadação para 2017? Quais medidas serão tomadas para amenizar o impacto da queda sobre os serviços municipais?

CM: A Prefeitura tem tomado, desde o ano passado, uma série de medidas para enxugar os gastos na máquina pública, sem que haja prejuízos à população. Também tivemos que cortar alguns eventos, como o Carnaval e os grandes shows da Festa do Figo, que demandariam grandes investimentos em época de crise. Continuaremos enxugando gastos e investindo em serviços essenciais à população.

 

FN: Quais seriam os principais desafios para os próximos quatro anos de um possível mandato?

CM: O maior desafio está sendo recuperar a credibilidade da cidade juntos aos empresários, que, por muitos anos, deixaram de receber um atendimento personalizado que hoje é dado a eles. Perder 200 empresas em uma década, enquanto cidades vizinhas recebiam os maiores investimentos, penalizou a cidade com uma queda brutal no orçamento. Somos quase o dobro de VINHEDO em números territoriais e de habitantes e temos praticamente o mesmo orçamento. Precisamos recuperar os investimentos na cidade para que VALINHOS possa ter seu orçamento ampliado.

 

FN: Sobre as empresas que vieram para Valinhos durante sua Administração, quanto tempo o município ainda vai demorar para sentir uma mudança na arrecadação?

CM: Estimamos que dentro de quatro ou cinco anos o município conseguirá sentir uma melhora significativa nas finanças neste aspecto. Porém, é apenas uma previsão, já que o ICMS (imposto estadual) é o principal imposto gerado por essas empresas. Ele é recolhido pelo estado e depois repassado aos municípios em dois anos. Esperamos também que neste tempo, o Brasil possa ter se reerguido e, com isso, os governos de outras esferas consigam honrar seus repasses.

 

FN: Nestes quase quatro anos de mandato, qual o seu maior legado para a cidade?

CM: Sem sombra de dúvida, a vinda de muitas indústrias à cidade, que gerará renda e emprego a todos no futuro. Também vencemos a crise hídrica implantando o rodízio com antecedência.Tivemos responsabilidade, respaldo da população e fizemos os investimentos necessários no Departamento de Águas e Esgotos.

 

FN: Com relação à ampliação do avenida Joaquim Alves Correia até Vinhedo, como isso vai impactar na mobilidade urbana valinhense?

CM: A interligação com o município de VINHEDO irá trazer muito mais agilidade aos dois municípios, já que a Rodovia dos Andradas fica intransitável em horários de pico. Será uma excelente alternativa de acesso aos valinhenses. Essa é uma obra muito aguardada que tive o prazer de anunciar seu início quando a cidade completou 120 anos de emancipação.

 

FN: Como é a sua relação com o Legislativo e quais as maiores dificuldades que o senhor encontrou quando precisou da Câmara?

CM: Tenho uma relação muito boa com os vereadores, até porque fui vereador por cinco mandatos e valorizo o trabalho e atuação de um parlamentar. No entanto, há vereadores que, infelizmente, deixam o viés político acima dos interesses da sociedade valinhense. Então você vê vereador votando contra a utilização de verba que seria destinada para subsidiar o transporte de estudantes, e alguns exemplos absurdos de uma política ultrapassada que vem de encontro aos interesses da população, que estão acima de qualquer bandeira partidária. Tirando esses exemplos, tenho uma relação de diálogo e respeito com a Câmara Municipal, até porque, muitas decisões são tomadas em conjunto entre os vereadores.

 

FN: Como o senhor tem sentido a resposta da população a temas como Saúde, Educação e Segurança?

CM: Desde o primeiro dia de mandato temos privilegiado essas Pastas no município, investindo muito além do que a Lei de Responsabilidade Fiscal exige. Nossa educação foi considerada pelo Índice Paulista de Responsabilidade Social (IPRS), como a 17ª melhor do estado. Em 2010, estávamos na 90ª posição. Na Saúde, o Ministério da Saúde considerou nossa UPA como uma das melhores do país. Além disso, somos uma das cidades da RMC com menos casos de dengue e outras arboviroses, fruto de um intenso trabalho da Secretaria de Saúde. No quesito Segurança, somos pioneiros em moderno sistema de monitoramento integrado, interligando câmeras particulares, de semáforos e de órgãos públicos, junto à nossa central de monitoramento. Com isso, conseguimos reduzir drasticamente nossos índices de criminalidade. Temos um dos menores índices desde 2001. Também realizamos a blitz virtual. Estamos dotando nossas escolas de câmeras e várias outras ações para conter a criminalidade. Acredito que a população está bem assistida nessas três áreas e tem reconhecido nosso trabalho.

 

FN: Com relação ao Inase, como o senhor avalia a administração da UPA?

CM: O Inase tem feito um bom trabalho junto à Administração da UPA, já que nossa UPA é referência de atendimento e considerada pelo Ministério das Cidades como uma das melhores Unidades de Pronto Atendimento do Brasil.

468 ad