VALINHOS: Usina tenta melhorar ‘gargalo’ na reciclagem de material da construção civil na região

Uma usina de reciclagem de resíduos provenientes da construção civil, inaugurada na semana passada, em VALINHOS, vai tentar melhorar um ‘gargalo’ que a Região Metropolitana de Campinas (RMC) tem no setor. O espaço, com capacidade para receber 1 tonelada de material por dia, possibilita que os municípios se enquadrem no Plano Nacional de Resíduos Sólidos e na cartilha de critérios estabelecida pelo Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama).
A única usina de reciclagem de materiais da construção civil na região, até agora, fica em Campinas, na região do Satélite Iris. No entanto, por ser de gestão municipal, não pode receber os resíduos de outras cidades, o que acarreta em um déficit no setor.
Em Americana (SP), o local que fazia esse tipo de serviço foi fechado há pelo menos um ano. Já Paulínia(SP) e Hortolândia (SP) possuem apenas aterros sanitários.
De acordo com o especialista em construção civil e presidente da Associação das Empresas e Profissionais do Setor Imobiliário (Proempi), Márcio Vioti, devem ser implantadas cada vez mais usinas de reciclagem na região, porque elas evitam o descarte irregular dos resíduos e diminuem o impacto ao meio ambiente.
Segundo ele, os municípios da RMC não podem encaminhar o material para Campinas e acabam despejando ilegalmente os entulhos, que perdem o valor e não podem mais ser aproveitados.

USINA
A estrutura, que tem 51 mil metros quadrados e fica às margens da Rodovia Anhanguera, em VALINHOS, pretende receber até 200 caçambas de entulho por dia. O valor total da obra foi de R$ 12 milhões e o custo que a usina vai cobrar por cada tonelada de resíduo reciclada é de R$ 12.
De acordo com os proprietários da Serello Ambiental, o objetivo do empreendimento é tratar o entulho como material nobre, que será retornado para a cadeia da construção civil através da logística reversa dos transportadores de caçambas, “como forma de entregar o que foi reciclado nas obras”.
Como contrapartida à instalação da usina, os proprietários realizaram o plantio de 700 mudas de espécies nativas na bacia hidrográfica do PCJ e mais 160 na própria área do local. De acordo com a empresa, foram abertos 15 postos de trabalho diretos.
O prefeito de VINHEDO, Jaime Cruz, que esteve no evento acompanhado do secretário de Obras, Renato Shishido, e do diretor Jorge Torrezin, da Secretaria de Indústria, Comércio e Agricultura, falou da importância dessa empresa para a região. “Esse empreendimento vai colaborar para que os municípios possam seguir a legislação que trata da destinação correta dos resíduos sólidos”, declarou. A nova usina de reciclagem atenderá, além de VALINHOS, VINHEDO, LOUVEIRA e parte de Campinas.

468 ad