VINHEDO: Câmara realiza nova reunião por videoconferência para trata do planejamento escolar em meio à pandemia da Covid-19

Na noite de quarta-feira (6), a Câmara de VINHEDO realizou mais uma debate virtual para tratar das ações do município frente à pandemia do novo coronavírus. Na reunião dessa semana, a pauta foi voltada ao planejamento escolar da rede municipal, e para tanto, participou da videoconferência o secretário de Educação, Gilberto Lorenzon. 

Assim como na semana passada, a reunião utilizou recursos de videoconferência com transmissão em tempo real pelos canais de comunicação do Legislativo vinhedense e permitiu aos vereadores apresentarem diversas questões.

Participaram da videoconferência o presidente Edu Gelmi (SD) e os vereadores Flávia Bitar (PSDB), Marcos Ferraz (PSD), Nil Ramos (PODE), Paulinho Palmeira (PODE), Rui “Macaxeira” (PODE) e Sandro Rebecca (PDT). Respeitando todas as medidas de prevenção e distanciamento, o secretário de Educação e a chefe de gabinete da Pasta participaram do plenário da Câmara com o presidente do Legislativo e funcionários da Casa de Leis essenciais para a transmissão do evento.

Os vereadores Ana Genezini (PODE), Carlos Florentino (Republicanos) e Rodrigo Paixão (PDT) justificaram a não participação.

Iniciando a reunião, o secretário municipal de Educação destacou que a Pasta tem seguindo a legislação federal, estadual e municipal e as orientações do Conselho Federal e Estadual de Educação, além de dialogar permanentemente com o Conselho Municipal, a fim de encontrar as melhores soluções ante o isolamento social. 

A rede municipal de ensino conta com 10.228 alunos matriculados e 1.354 profissionais, e teve as atividades suspensas ainda no dia 23 de março, fechando as escolas, uma semana após ter sido recomendado aos alunos a diminuição da frequência às aulas. 

Desde o fechamento, a Secretaria tem adotado medidas para amenizar o impacto ao ano letivo. “Desde o fechamento das unidades de ensino disponibilizamos um acervo de atividades digital, sem cobrança de notas e avaliações, uma vez que nem todos os alunos da rede tem acesso à internet, que tem sido uma alternativa nesse momento de isolamento. É preciso lembrar que esse acervo não é uma plataforma de ensino a distância (EAD), mas sim um material de apoio para manter os alunos ativos. Desde a suspensão das aulas 15 mil usuários se cadastraram no acervo digital, totalizando 280 mil acessos até o presente”, explicou Gilberto Lorenzon. 

A mais recente medida adota pela Secretaria de Educação, conforme anunciou Gilberto Lorenzon, foi o adiantamento das férias dos professores, que durarão de 4 a 23 de maio. O secretário explicou que as férias só foram concedidas agora, pois antes foi preciso definir questões financeiras, como a forma que serão feitos os pagamentos, e, havia ainda expectativa que as aulas poderiam voltar no início de junho, o que não parece mais plausível.

Primeiro vereador a apresentar suas questões, Paulinho Palmeira indagou se a Secretaria tem um planejamento para manutenção predial das unidades de ensino durante esse período sem aulas e se há previsão de instituição de EAD no caso de prolongamento da quarentena.  “A Secretaria está atenta à manutenção predial das escolas? Esse é um problema recorrente, portanto, nesse momento de paralização, seria fundamental a execução de manutenções estruturais, como em telhados, calhas, tubulações e banheiros. Seria inadmissível retornarmos às aulas e encontrarmos problemas estruturais depois de tanto tempo fechadas. Além dessa questão, há planejamento de instituição EAD no futuro, caso a quarentena se prolongue muito, para que os alunos não percam o ano letivo”?

Rui “Macaxeira”, por sua vez, perguntou qual a tratamento da Secretaria em relação aos alunos portadores de deficiência e como fica o contrato da merenda. “Sabemos que as crianças portadores de deficiência precisam de apoio especial dos profissionais de educação, e gostaria de saber como isso tem sido feito durante a quarentena. No mais, em relação ao contrato da merenda escolar, com a suspensão das atividades, a municipalidade receberá os alimentos? Deverá ser feito o pagamento do contrato nesse período”? 

Sobre a disponibilização de atividades digitais aos alunos, Flávia Bitar questionou como tem sido o tratamento aos alunos que não tem acesso à internet. “Os alunos que não tem acesso à internet podem receber vias físicas das atividades disponibilizadas no acervo digital, para que não fiquem atrás dos demais alunos em termos de aprendizado”?

Nil Ramos apresentou questões relativas à merenda escolar. “Sabemos que muitos alunos têm a merenda como todas suas refeições, e com a suspensão das aulas eles ficam sem esse item de subsistência. O que tem sido feito pela Secretaria para amenizar esse problema? Ainda em relação à assistência alimentar, às cestas que serão distribuídas pela Secretaria de Educação terão quantos itens, e quais serão? Recebemos críticas às cestas distribuídas pela Assistência Social, por exemplo. Essa distribuição de cestas será feita apenas esse mês ou continuarão a distribuição durante o tempo que durar a quarentena”?

Marcos Ferraz sugeriu que seja criado um sistema de redistribuição de cestas básicas, para que sejam repassadas a famílias mais carentes. “Tomei o conhecimento da medida adotada pela Secretaria de Educação para a entrega de cestas básicas a todos os alunos e sei que, pelas características de Vinhedo, muitas famílias não precisam dessa assistência. Assim sendo, sugiro que seja feito um grande trabalho de conscientização para que as famílias que não necessitem das cestas abram mão desse benefício, de modo que se crie um sistema de redistribuição dessas cestas para aqueles que mais precisam”.

O vice-presidente da Câmara de VINHEDO, vereador Sandro Rebecca apresentou uma série de dúvidas, com destaque para a questão de como a Secretaria de Educação tem se planejado para se adequar às inovações no ensino durante e pós-quarentena, uma vez que essa situação de isolamento social tem feito com as pessoas tenham que se adaptar a novas formas ensino, trabalho e interação social. “Ninguém está realmente preparado para esse sistema de EAD, e com a quarentena, as escolas se encontram em um novo formato e as famílias tiveram que se adaptar. É claro que não temos o investimento necessário em ferramentas tecnológicas, e essa adaptação ainda requer a preparação dos professores, portanto, hoje, a nossa cidade não está preparada para essa migração ao mundo digital, mas, independente disso, gostaria de entender qual o planejamento da Secretaria para que a educação municipal alcance o futuro”. 

Por fim, o presidente Edu Gelmi questionou qual será o limite de suspensão das aulas para que os alunos não percam o ano letivo e reforçou pautas voltadas à merenda escolar e distribuição de cestas básicas. “Qual será o limite para que nós não percamos o ano letivo. Se a quarentena se prolongar por muito mais tempo, que ações serão adotadas pela Secretaria para evitar que o ano seja perdido? Com relação à merenda, sabemos que novos alimentos não têm sido adquiridos, que o que há na Secretaria é o estoque, assim como não está sendo pago o contrato das merendeiras, que são fornecidas pela Litucera, o que representa uma economia significativa. Essa economia não poderia ser utilizada para a aquisição de novas cestas, além das que já serão enviadas nesse primeiro mês”?

A reunião

A íntegra da reunião está disponível no site da Câmara, através do linkhttps://www.camaravinhedo.sp.gov.br/reuniao-extraordinaria-planejamento-escolar-em-meio-ao-covid-19/

(Fonte: CâmaradeVinhedo)

Autor: Geraldo Maia 62

Compartilhe esta notícia no
468 ad